Atma Jordão
Arte e Filosofia
Capa Meu Diário Textos Perfil Livro de Visitas Contato
Textos
Felicidade - Uma emoção que dá e passa.
-- Para mim, felicidade é uma emoção que dá e passa.
-- E se não passasse, Sancho?
-- Como isso seria, mestre?
-- E se você, com sua mente, conseguisse sintonizar nesse estado de consciencia chamada felicidade e lá se mantivesse pelo resto da vida?!
-- Na primeira dor de barriga, mestre, essa sintonia ia para o espaço.
-- E se você tivesse o dominio de si mesmo, determinando que sua mente, em nenhuma hipotese, abandonasse esse estado de felicidade?
-- A mente sempre reage as coisas externas que nos acontece. Se a coisa externa que acontece é boa, então a mente se liga na felicidade. Se a coisa é ruim, então perco a felicidade. A felicidade depende das coisas que nos acontece, mestre. A felicidade não depende de nossa mente.
-- Mas voce não disse, Sancho, que a felicidade é uma emoção prazerosa? Toda emoção surge na mente, quando esta interpreta o acontecimento como positivo. Um mesmo acontecimento pode trazer felicidade para um e não para outro. Isso significa que a felicidade não esta no fato, mas na interpretação do fato. Sendo assim, a felicidade não esta nas coisas externas, mas na nossa opinião sobre as coisas que acontecem. Portanto, a felicidade esta na mente.
-- Cair do cavalo sempre é triste, mestre, independente da mente. Afinal, dor é dor.
-- As coisas externas exigem sim uma resposta da nossa mente, Sancho. Mas uma mente preparada, que se domina, esta mais próxima da felicidade porque escolhe as respostar que quer dar. Sim, dor é dor, mas o sofrimento mental é uma escolha. "conhecer-se para dominar-se", Sancho. Pense nisso.
-- Então a felicidade é uma simples atividade mental? Se for assim, um homem mau, mas que tem o dominio da mente seria sempre feliz. Mas outro dia, citando Aristoteles, voce me disse que a felicidade é um atividade da mente, guiada pela virtude. Afinal, para ser feliz, precisamos da virtude ou não? precisamos ser bons ou não?
-- Um homem mau é um homem egoísta, certo?
-- Certo.
-- Um homem egoísta se entristesse com o beneficio alheio, portanto, se entristecendo com fatos externos. Logo, um homem egoísta não possui o dominio de sua mente. Já o homem virtuoso retira sua alegria da sua propria justiça, generosidade, moderação e nada depende dos outros.
-- Mas mestre. O homem virtuoso não se entristece com as mazelas do mundo?!
-- só se não domina a si mesmo. Pois, se domina, ele age sobre as mazelas naquilo que depende dele. Naquilo que não depende dele, ele deposita na justiça divina e nela descansa.
-- Então, quer dizer que um homem virtuoso pode dominar sua própria mente ou não. Se domina, então, além de virtuoso é também feliz. Já o homem mau, pela própria natureza egocêntrica, é incapaz de se dominar e está fadado a alternar entre prazer e dor, sem jamais ser feliz.
-- Isso mesmo, Sancho.
-- Então um homem virtuoso, que domina a si mesmo, jamais chora?
-- Pode chorar sim, por que tem compaixão pelos ignorantes. Mas seu choro é de amor e não retira sua paz, seu contentamento, sua realização de homem virtuoso.
Atma Jordao
Enviado por Atma Jordao em 07/11/2020
Alterado em 07/11/2020
Comentários